O fisioterapeuta que atua em Unidades de Terapia Intensiva Adulta possui papel fundamental na manutenção da funcionalidade do paciente, ...

Fisioterapia na reabilitação cardíaca dentro da UTI



O fisioterapeuta que atua em Unidades de Terapia Intensiva Adulta possui papel fundamental na manutenção da funcionalidade do paciente, lançando mão de técnicas e recursos que otimizem e minimizem as perdas dos sistemas osteomioarticular e cardiorrespiratório.

Porem, o paciente submetido à cirurgia cardíaca apresenta disfunções orgânicas que impactam diretamente na sua funcionalidade. É fundamental o entendimento de todas as alterações decorrentes da cirurgia cardíaca, a fim de instituir as melhores condutas.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a reabilitação cardíaca é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio esforço, reconquistar uma posição normal na comunidade e levar uma vida ativa e produtiva. Desta forma, a atuação da equipe multidisciplinar no programa de reabilitação cardíaca é apresentada como fator favorável ao paciente, sendo composta por médicos, fisioterapeutas, nutricionistas, enfermeiros e psicólogos.

A atuação do fisioterapeuta na reabilitação cardíaca do paciente internado inicia-se a partir de uma avaliação. Ela inclui a anamnese, o exame físico e, sempre que possível, testes de aptidão.

O atendimento baseia-se em exercícios de baixa intensidade, técnicas para prevenção de complicações pulmonares e para o controle do estresse e educação em relação aos fatores de risco.

Além de conteúdo atual sobre técnicas e recursos que podem ser aplicados precocemente nessa fase da reabilitação, é necessário que os fisioterapeutas compreendam a ventilação mecânica no pós-operatório imediato de cirurgia cardíaca. Isso proporciona ao fisioterapeuta conhecimentos que podem auxiliar a minimizar as complicações respiratórias e diminuir o tempo de ventilação mecânica.



Os pacientes são atendidos na UTI cardiovascular e nas Unidades de Internação.  As sessões podem ser iniciadas imediatamente a entrada do paciente no hospital ou após 12 horas do evento cardíaco, dependendo da necessidade e das condições clínicas da pessoa.

Inicialmente são realizadas atividades de auto-assistência, mudanças posturais e exercícios respiratórios. Em seguida, os pacientes são inseridos em programas estruturados com exercícios variados.

O programa traz diversos benefícios aos cardiopatas, como a redução da frequência cardíaca de repouso, a diminuição dos níveis de pressão arterial, o aumento do consumo de oxigênio, a melhora da força muscular, a melhora da capacidade para realizar as tarefas do dia a dia, a redução da ansiedade e o ganho na qualidade de vida.

Na prática, o fisioterapeuta utiliza técnicas, recursos e exercícios terapeuticos em diferentes fases do tratamento, sendo necessário para alcançar uma melhor efetividade a aplicação do conhecimento e das condições clínicas do paciente. Assim, um plano de tratamento condizente é organizado e aplicado de acordo com as necessidades atuais dos pacientes, como o posicionamento no leito, técnicas de facilitação da remoção de secreções pulmonares, técnicas de reexpansão pulmonar,técnicas de treinamento muscular, aplicação de métodos de ventilação não invasiva, exercícios respiratórios e músculo-esqueléticos.

A presença do especialista em fisioterapia cardiorrespiratória é uma das recomendações básicas de todas as UTIs. O trabalho intensivo dos fisioterapeutas diminui o risco de complicações do quadro respiratório, reduz o sofrimento dos pacientes e permite a liberação mais rápida e segura das vagas dos leitos hospitalares. A atuação profissional também diminuiu os riscos de infecção hospitalar e das vias respiratórias, proporcionando uma economia nos recursos financeiros que seriam usados na compra de antibióticos e outros medicamentos de alto custo. Diante disso, a atuação do fisioterapeuta especialista nas UTIs implica em benefícios principalmente para os pacientes, mas também para o custo com a saúde num geral.

Mas será que me especializar em Fisioterapia Intensiva vai realmente impactar a minha vida profissional? Com certeza! Além de ser importante, o conhecimento em Terapia Intensiva agora não é um luxo e sim uma necessidade para quem quer trabalhar no ambiente hospitalar. Isso acontece porque o profissional se torna apto para atender qualquer outra área. Quem atende o paciente crítico em terapia intensiva, consegue atender qualquer outro tipo de paciente, que com certeza será menos complexo. O resultado é um profissional completo, com um olhar clínico mais aguçado.

Fisiointensiva Academy é um clube de atualização profissional exclusivamente idealizado para o fisioterapeuta intensivista.
Um projeto FisioAcademy MemberShip focado 100% em otimizar a formação continuada dos fisioterapeutas que estão na assistência e se encontram por vezes sem um amparo técnico acadêmico de credibilidade. Conheça clicando aqui!

Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter



Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Indicação de Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Poste um Comentário

Faça Fisioterapia