A maioria dos revascularizados não controla seus fatores de risco







Os fatores de risco cardiovascular como a hipertensão arterial, tabagismo, diabete melito e as anormalidades  do colesterol, são os grandes responsáveis pela ocorrência de eventos cardiovasculares  como o infarto do miocárdio (ataque cardíaco).Infelizmente um recente estudo brasileiro demontrou que a maioria dos pacientes revascularizados não controla os seus fatores de risco cardiovascular.

Um estudo teve como objetivo estimar o percentual de pacientes submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica (conhecida popularmente como "cirurgia de ponte de safena", termo errôneo pois nem toda a revascularização miocárdica usa as veias safenas como forma de enxerto), que conseguiram obter um controle adequado dos fatores de risco  modificáveis, pelo menos seis meses após a cirurgia.

Os autores do estudo concluíram que a grande maioria dos pacientes não obtinha um controle adequado de seus fatores de risco cardiovascular.O estudo incluiu 88 pacientes, no qual se realizaram análise de prontuários e entrevistas clínicas, entre seis e 12 meses após a realização da cirurgia de revascularização em um hospital de referência para doenças cardiovasculares (Hospital Português, Salvador - Bahia), no período de janeiro a dezembro de 2004.

A média de idade dos pacientes foi 63 anos, 51 (58%) eram do sexo masculino, 86 (97,7%) eram hipertensos, 38 (43,2%) eram diabéticos, 85 (96,6%) eram dislipidêmicos e 10 (11,4%) eram tabagistas.O controle da hipertensão (pressão arterial menor que 140/90 mmHg) foi atingido em  apenas 24,4% dos pacientes. Para o colesterol ruim (colesterol LDL abaixo de 100 mg/dl) e  para o diabete melito (nível de açúcar no sangue abaixo de 110mg/dl), os níveis de controle foram de 30,6% e 31,6%, respectivamente.

O uso de anti-hipertensivos, agentes hipoglicemiantes (orais ou insulina) e as estatinas (drogas redutoras de colesterol), quando indicados, foi respectivamente, 96,5%, 92,1%, 78,8%. Entretanto, analisando-se a tríade hipertensão, diabete e anormalidades do colesterol, apenas 14,8% do total dos pacientes apresentavam  níveis de pressão arterial, glicemia e colesterol LDL dentro dos limites aceitáveis.

Apesar do uso frequente de medicações para controle da hipertensão, diabete e hipercolesterolemia, o controle de fatores de risco ainda é realizado de forma insuficiente nos pacientes revascularizados, o que sugere  grande potencial para a melhoria da prática clínica.  

Autor: Dr. Luiz Fernando Kubrusly - Cirurgião Cardiovascular.

Fonte: Arquivos Brasileiros de Cardiologia.


Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.