A maioria dos revascularizados não controla seus fatores de risco


>



Os fatores de risco cardiovascular como a hipertensão arterial, tabagismo, diabete melito e as anormalidades  do colesterol, são os grandes responsáveis pela ocorrência de eventos cardiovasculares  como o infarto do miocárdio (ataque cardíaco).Infelizmente um recente estudo brasileiro demontrou que a maioria dos pacientes revascularizados não controla os seus fatores de risco cardiovascular.

Um estudo teve como objetivo estimar o percentual de pacientes submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica (conhecida popularmente como "cirurgia de ponte de safena", termo errôneo pois nem toda a revascularização miocárdica usa as veias safenas como forma de enxerto), que conseguiram obter um controle adequado dos fatores de risco  modificáveis, pelo menos seis meses após a cirurgia.

Os autores do estudo concluíram que a grande maioria dos pacientes não obtinha um controle adequado de seus fatores de risco cardiovascular.O estudo incluiu 88 pacientes, no qual se realizaram análise de prontuários e entrevistas clínicas, entre seis e 12 meses após a realização da cirurgia de revascularização em um hospital de referência para doenças cardiovasculares (Hospital Português, Salvador - Bahia), no período de janeiro a dezembro de 2004.

A média de idade dos pacientes foi 63 anos, 51 (58%) eram do sexo masculino, 86 (97,7%) eram hipertensos, 38 (43,2%) eram diabéticos, 85 (96,6%) eram dislipidêmicos e 10 (11,4%) eram tabagistas.O controle da hipertensão (pressão arterial menor que 140/90 mmHg) foi atingido em  apenas 24,4% dos pacientes. Para o colesterol ruim (colesterol LDL abaixo de 100 mg/dl) e  para o diabete melito (nível de açúcar no sangue abaixo de 110mg/dl), os níveis de controle foram de 30,6% e 31,6%, respectivamente.

O uso de anti-hipertensivos, agentes hipoglicemiantes (orais ou insulina) e as estatinas (drogas redutoras de colesterol), quando indicados, foi respectivamente, 96,5%, 92,1%, 78,8%. Entretanto, analisando-se a tríade hipertensão, diabete e anormalidades do colesterol, apenas 14,8% do total dos pacientes apresentavam  níveis de pressão arterial, glicemia e colesterol LDL dentro dos limites aceitáveis.

Apesar do uso frequente de medicações para controle da hipertensão, diabete e hipercolesterolemia, o controle de fatores de risco ainda é realizado de forma insuficiente nos pacientes revascularizados, o que sugere  grande potencial para a melhoria da prática clínica.  

Autor: Dr. Luiz Fernando Kubrusly - Cirurgião Cardiovascular.

Fonte: Arquivos Brasileiros de Cardiologia.



Você não pode perder:

Atualizações em Reabilitação Cardiopulmonar
eBook de Fisioterapia Hospitalar Completo
Drive Virtual de Fisioterapia

Share on Google Plus

About Faça Fisioterapia

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment