Por algum motivo o pâncreas deixa de fabricar a insulina necessária para fazer a glicose entrar na célula e, assim, alimentá-la. Sem glicose...

A diabetes

Por algum motivo o pâncreas deixa de fabricar a insulina necessária para fazer a glicose entrar na célula e, assim, alimentá-la. Sem glicose as células ficam famintas e, começamos a sentir muita fome. Ao mesmo tempo, como a glicose não entra na célula, ela fica sobrando no sangue, o que faz com que transborde na urina, nos levando a urinar muito também e a sentir muita sede.

Algumas pessoas desenvolvem diabetes após doenças no pâncreas. Outras pessoas (a grande maioria) desenvolvem diabetes e não conseguimos descobrir a causa. Mas, sabemos que em qualquer das situações, o pâncreas não está funcionando corretamente. Seja não fabricando nenhuma insulina (diabetes insulino-dependente), seja fabricando pouca insulina ou uma insulina fraca (diabetes não insulino-dependente).

A diabetes é uma doença crônica. Ela não tem cura mas tem controle com o uso da medicação correta.

O não controle da diabetes leva a pessoa a um processo de envelhecimento rápido, com falência de órgãos importantes como rins, olhos, cérebro pois o excesso de glicose na circulação promove lesão de pequenos vasos sanguíneos que pode ocorrer em qualquer órgão do corpo.

Por isso, cuide-se. Tome sua medicação corretamente, faça dieta, evite açúcares, doces, etc. Coma verduras, legumes, saladas, cereais, alimentos integrais e não deixe de realizar atividade física.
Dieta para Diabetes

Alimentos a serem EVITADOS:

Açúcar, balas, chocolates, bombons
Vinhos, doces, champanha
Bolos, tortas
Refrigerante e sorvete
Mel, geléias
Cerveja
Alimentos fritos

Alimentos PERMITIDOS sem restrições:

Cominho, louro, oréganos
Café e chá (sem açúcar)
Limão
Salsa
Salsão
Alho
Cebola
Vinagre
Pimenta
Carnes e peixes devem ser cozidos, grelhados ou assados
Verduras devem ser preparadas sem gorduras ou farinha


Dicas Importantes para Diabetes:

Faça 5 a 6 refeições ao dia (café da manhã, almoço, jantar e lanches nos intervalos), de preferência em horários determinados.
Os doces devem ser ingeridos, de preferência, junto às grandes refeições, pois estas possuem um maior teor de gordura e, consequentemente, digestão mais lenta.
Coma alimentos ricos em fibras: verduras e legumes (crus e cozidos) e frutas (com casca ou bagaço), pois o conteúdo de fibras nos alimentos diminui a velocidade de absorção dos carboidratos.
Não exagere na quantidade de frutas numa mesma refeição. Lembre-se que as frutas também possuem um tipo de açúcar (frutose).
Cuidado com alimentos lights, eles podem conter açúcar. Lembre-se que o alimento diet, é o alimento modificado em que um ingrediente é substituído por outro, por exemplo o açúcar pelo adoçante, sendo assim indicado para o diabético. Já o light, é o alimento que contém uma porcentagem menor de um ingrediente (por exemplo: gordura, açúcar) e nem sempre é indicado para o diabético – refresco light contém açúcar.
Lembrar que os alimentos diets, frequentemente, possuem outros ingredientes como farinhas, leite, ovos etc, os quais devem ser considerados.
Sempre que tiver dúvida, verifique os ingredientes no rótulo, ou ligue para o Serviço de Atendimento ao Consumidor do fabricante do produto.
Cuidado com água tônica, apesar do sabor amargo, contém açúcar, só beba na versão diet.

Exercício físico esporádico, intenso e no calor pode ser um gatilho para que se manifestem doenças cardiovasculares silenciosas. Para falar ...

Exercicio físico esporádico pode ser gatilho para cardiopatias

Exercício físico esporádico, intenso e no calor pode ser um gatilho para que se manifestem doenças cardiovasculares silenciosas. Para falar sobre os atletas de fim de semana, estiveram no Bem Estar desta terça-feira (8) os cardiologistas Roberto Kalil, que também é consultor do programa, e Maria Janieire Alves.

Quando sobra um tempo livre, seja em um fim de semana, seja em um feriado de carnaval, o que não falta são pessoas correndo para compensar a falta de atividades em dias normais. O que acontece ao coração delas foi explicado pelos especialistas no estúdio.

Antes de iniciar um exercício, o ideal é que indivíduos acima de 35 anos passem pelo menos por uma avaliação e um eletrocardiograma, mesmo que não sintam nada. É importante investigar, por exemplo, o histórico familiar. Alguém cujo pai enfartou aos 50 anos, tem sobrepeso, diabetes ou hipertensão deve ficar atento.

E estar dentro do peso não garante tranquilidade: pessoas magras também podem ter problemas. Por isso, a recomendação é fazer o teste ergométrico, que dá resultado falso negativo em apenas 2% dos casos. E o exame clínico deve ser realizado para complementá-lo.

A frequência cardíaca máxima é resultado do número 220 subtraído pela idade do paciente. Na atividade física, o correto é que se atinja até 85% desse número. Mas, muitas vezes, quem exagera sem ter preparo para isso chega à frequência máxima mesmo com um exercício leve.

No Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o repórter Walace Lara foi conferir com que regularidade as pessoas estão cuidando da saúde. Para medir a frequência cardíaca dos atletas de fim de semana, participou a cardiologista Patrícia Oliveira, do Instituto do Coração (Incor). O aparelho mostrou quantos batimentos por minuto são registrados durante a atividade.

Em Manaus, um teste analisou pessoas que se exercitam pelo menos três vezes por semana com o aeroboi, uma mistura de aeróbica com o boi-bumbá, dança típica do Amazonas, que exige muita musculação para possibilitar movimentos sincronizados.

Doenças cardíacas

As doenças cardíacas são as principais responsáveis pelas mortes súbitas na prática esportiva. Para evitar o pior, o ideal é fazer um check-up regularmente. Aqueles que já começaram a praticar exercícios devem prestar atenção a qualquer dor ou desconforto que aparecer durante a atividade, principalmente na região do tórax, pois esses sintomas podem indicar problemas cardíacos.

Segundo o chefe da seção de Cardiologia do Esporte do Instituto Dante Pazzanese, Nabil Ghorayeb, estima-se que 90% dos casos de morte súbita no esporte entre pessoas com mais de 35 anos em todo o mundo sejam causados por aterosclerose (depósito de gordura que entope as artérias coronarianas). A doença, que geralmente não apresenta sintomas, pode levar ao infarto agudo do miocárdio.

Entre os jovens, a cardiomiopatia hipertrófica (crescimento do músculo cardíaco causado por uma anomalia genética), muitas vezes também assintomática, é responsável por 56% das mortes.

A incidência de óbitos na atividade física, no entanto, é muito pequena, o que comprova que os exercícios, se bem orientados e realizados de acordo com os limites de cada um, trazem mais resultados bons do que ruins.

Um estudo americano divulgado em 2000 verificou uma taxa de mortalidade extremamente baixa: uma morte por 2,6 milhões de horas de atividades em academias. A vítimas eram principalmente homens de meia-idade, com histórico de doenças cardíacas ou fatores de risco (como obesidade e fumo), e praticantes de exercícios esporádicos.

Fonte

Quer manter o coração saudável e evitar doenças cardíacas? Faça contas. De acordo com o livro Mitos da Saúde e 98 verdades que podem melhora...

Saiba como prevenir doenças cardíacas com pequenos atos

Quer manter o coração saudável e evitar doenças cardíacas? Faça contas. De acordo com o livro Mitos da Saúde e 98 verdades que podem melhorar, prolongar e até salvar sua vida, quantificar alguns hábitos ajuda a controlar e até prevenir a pressão alta e a ocorrência de problemas cardíacos. Isso inclui caminhar cada dia um pouco mais, perder peso, fazer exames regularmente e dosar sal e gorduras na alimentação.

A caminhada do dia a dia, por exemplo, pode ser contabilizada: 35 minutos deste exercício, 5 vezes por semana, numa velocidade moderada, ajudam na prevenção dos problemas do coração, além da perda de peso. E se o caso é tratar uma pressão elevada já existente, a caminhada de meia hora deve ser feita todos os dias. "O efeito vasodilatador só dura 24 horas", explica o presidente do Departamento de Hipertensão da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Marcus Malachias.

Perder 5% do peso
Em pessoas que sofrem de hipertensão e têm alguns quilos a mais, perder 5% do peso é forma eficaz de normalizar a pressão. Segundo o cardiologista, esta regra vale para quem está acima do peso. "Quem está no peso certo não deve emagrecer, mas atentar para os outros fatores de risco, como o consumo de sal e gorduras e a falta de exercícios físicos", orienta. Na alimentação, deve-se ficar atento à quantidade de sal. Ela não pode passar de uma colher de sobremesa rasa (5g) por dia, já incluindo o sal que alguns alimentos contêm. Porções de grãos e saladas devem ser ingeridas diariamente. "E dois copos de leite desnatado ou o equivalente em laticínios, que previnem hipertensão e osteoporose", conclui o cardiologista.

Calcule

CAMINHADA
Caminhe 10 mil passos por dia. Isso equivale a oito km e queima entre 400 e 500 calorias diárias. Use um podômetro para verificar quantos passos você costuma dar. Depois, adicione mil passos (800 metros) a cada semana, até 10 mil ou mais.

EXAMES
Faça check-up a cada 2 anos. Se houver histórico familiar de doenças cardíacas, o acompanhamento médico preventivo deve começar cedo.

ALIMENTAÇÃO
Por dia, 400g de frutas e hortaliças e 25g de grãos reduzem a absorção de gorduras saturadas e do colesterol, além de diminuírem a vontade de ingerir outros pratos com gordura e carboidratos.

  As doenças cardiovasculares são todas as doenças do coração e sistema sanguíneo (artérias, veias e vasos capilares). Geralmente, são pr...

Doenças cardiovasculares

Resultado de imagem para cardiopatas 

As doenças cardiovasculares são todas as doenças do coração e sistema sanguíneo (artérias, veias e vasos capilares). Geralmente, são provocadas pela acumulação, durante anos, de gordura na parede dos vasos sanguíneos.

Factores de risco

- Idade

- Antecedentes familiares

- Vida sedentária

- Ingestão de alimentos ricos em gordura e sal

- Tabaco e excesso de bebidas alcoólicas

- Hipertensão arterial

- Diabetes

- Obesidade

- Stress

Prevenção

A prevenção é o melhor tratamento de qualquer doença.

- Alimentação equilibrada com abuso de legumes, vegetais, fruta e cereais

- Exercício físico moderado e com regularidade

- Não fumar

- Controle regular da tensão arterial, açúcar e gordura no sangue

- A partir dos 40 anos deve haver realização de exames periódicos de saúde.

As pessoas com antecedentes familiares devem começar mais cedo.

Doenças mais frequentes

As mais frequentes são o enfarte do miocárdio, angina de peito, acidente vascular cerebral, hipertensão arterial e aterosclerose.

A cardiopatia isquémica inclui as doenças cardíacas desencadeadas pela acumulação de gordura nas paredes de vasos e artérias provocando estreitamento, dificuldade ou obstruça ao sangue de passar. O estreitamento pode originar angina de peito e a obstrução total enfarte agudo do miocárdio.

A aterosclerose atinge artérias de grande e médio calibre, é desencadeada pela acumulação de gordura, cálcio e outras substâncias nas paredes internas das artérias. A redução do calibre da artéria provoca diminuição da quantidade de sangue que consegue passar e consequente aumento do esforço do coração para bombear. Este esforço provoca hipertensão arterial sistólica.

A aterosclerose provoca acidentes vasculares cerebrais e doenças nas artérias coronárias.

Diagnóstico

Quando o doente chega, o médico deve tentar saber o máximo de informações possíveis sobre o que sente, doenças anteriores, hábitos de vida e medicamentos que toma, para se poder fazer a história clínica dele.

O médico pode pedir exames de sangue e electrocardiograma para confirmar o diagnóstico.

Há alguns sintomas que sugerem ao médico doença cardíaca, principalmente nos idosos, nomeadamente:

- Dificuldade em respirar, mesmo em repouso, ou se acorda o doente durante a noite.

- Sensação de aperto no peito que pode irradiar até ao pescoço ou braço esquerdo durante o exercício físico.

- Alterações do ritmo cardíaco e pernas inchadas.

Tratamento

O tratamento é feito com medicação que vai diminuir o esforço e aumentar a força do músculo cardíaco e consequentemente baixar a pressão arterial. O médico pode prescrever diuréticos, beta-bloqueantes, inibidores ECA e digitálicos.

Há muito se estuda os benefícios do exercício físico regular para indivíduos saudáveis. Existem relatos mostrando que desde a Grécia antiga ...

Beneficios do exercicio para cardiopatas

Há muito se estuda os benefícios do exercício físico regular para indivíduos saudáveis. Existem relatos mostrando que desde a Grécia antiga os filósofos-médicos buscavam entender como o exercício melhorava a saúde das pessoas. Herodicus e Hipócrates, o pai da medicina, estabeleceram diversos compêndios de saúde e higiene. Já, a partir da Renascença, o número de estudiosos e de artigos que buscam entender o movimento humano cresceu tornando-se vasto nos dias atuais.

Os estudos que relacionam cardiologia e exercício físico começaram a se desenvolver somente no século XVIII quando o médico inglês William Heberden relatou os efeitos do exercício físico em um homem que sofria de angina, ou seja, "dor no peito" em decorrência da má irrigação de parte do coração. Contudo, da segunda metade do século XIX até a segunda metade do século XX o número de estudos foi pequeno. Ou seja, a pesquisa aplicada ao exercício físico e a cardiologia é historicamente recente.

Porém, devido à tecnologia e ao avanço do conhecimento biológico tem se disponibilizado informações suficientes para o desenvolvimento de um programa de condicionamento físico que seja efetivo e eficaz para esta população.

Hoje já podemos afirmar que um programa de condicionamento físico promove os seguintes efeitos benéficos:

- Melhora da capacidade cardiorespiratória;

- Aumento na quantidade de vasos sanguíneos nos músculos ativos;

- Diminuição da freqüência cardíaca e da pressão arterial em repouso;

- Diminuição da freqüência cardíaca e da pressão arterial em exercício de baixa intensidade;

- Aumento nos níveis do bom colesterol (HDL) e diminuição de triglicerídeos;

- Diminuição da gordura corporal total;

- Diminuição da gordura intra-abdominal (a mais nociva para o coração);

- Melhora dos índices de glicose no sangue (glicemia), entre outros.

Além destes benefícios, o exercício também atua como fator preventivo para eventos cardiovasculares. Existe uma excelente associação entre níveis mais elevados de atividade física e menores riscos de morte por doença cardiovascular e por coronariopatia.

Se pensarmos exclusivamente em indivíduos que foram acometidos por algum problema cardíaco um programa de condicionamento físico promoverá os mesmos benefícios citados acima, além dos benefícios específicos para cada condição patológica.

A grande arte neste processo está na prescrição do exercício para este grupo de indivíduos. Primeiramente, o trabalho com esta população deve ser feito por uma equipe multidisciplinar (médicos, educadores físicos, fisioterapeutas, nutricionistas e etc.). Segundo, um bom exame clínico deve ser realizado para sabermos exatamente qual a condição que o nosso aluno(a) apresenta antes de iniciarmos a prática do exercício. Terceiro, determinar qual a fase de reabilitação o aluno está. Com as informações clínicas devemos pensar em quatro aspectos para a boa prescrição e execução do exercício físico:

1. Tipo de exercício: o exercício a ser realizado durante a sessão de treinamento. Recomendam-se exercícios cíclicos (caminhada, ciclismo, remo, corrida, natação, entre outros) que envolvam grandes grupamentos musculares. Todavia, não se esqueça de um bom trabalho de alongamento e de fortalecimento muscular com pesos (assunto do próximo artigo).

2. Freqüência semanal: no início do processo é preconizado duas a três sessões semanais, podendo, com o passar do tempo e com a melhora da condição geral do aluno(a), aumentar esta freqüência para até cinco ou seis vezes.

3. Duração da sessão: a sessão padrão dura 60 minutos, subdividida em aquecimento (10 min), principal (20 a 30 mim), fortalecimento (10 mim a 15 mim) e final (5 mim). O tempo da fase principal é modificado de acordo com a condição clínica do aluno podendo durar mais de 30 minutos.

4. Intensidade da atividade: a intensidade pode ser determinada por pelo menos duas metodologias. A primeira e mais recomendável, é a realização de um teste ergoespirométrico onde é possível avaliar de modo preciso qual a freqüência cardíaca máxima e mínima para o treinamento. A desvantagem deste método é o custo deste procedimento. O segundo método é por meio da fórmula de freqüência cardíaca de reserva de Karvonen:



FC treinamento = [(FCmáxima - FCrepouso) x % de intensidade] + FCrepouso



Trabalha-se inicialmente entre 50% e 70% da freqüência cardíaca de reserva para a execução dos exercícios aeróbios (cíclicos). Entretanto, deve-se levar em consideração possíveis queixas de angina, alterações de freqüência cardíaca e alterações de pressão. Um aparelho de monitoramento da freqüência cardíaca é muito útil durante a prática da atividade física para um melhor monitoramento da intensidade.

Vejam alguns benefícios da prática do exercício físico em patologias específicas:

Isquemia miocárdica: melhora da angina em repouso; melhora da capacidade funcional; aumento da capacidade do coração bombear sangue; melhora da perfusão do miocárdio.

Insuficiência cardíaca: ajuda a reverter disfunções nos vasos sangüíneos; aumento do consumo de oxigênio; melhora a produção de energia no músculo; melhora a função respiratória; melhora a musculatura respiratória.

Finalizando, posso afirmar que a prática regular de exercício físico (condicionamento físico) deve ser estimulada, não só na população saudável, mas principalmente em populações que possuem um problema cardiovascular. Busque sempre a orientação médica e de um profissional de educação física competente. Não perca mais tempo, comece hoje a sua rotina de exercícios físicos. Boa prática!

Prof. Daví F. M. Cáceres
Educador Físico /Personal Trainer (Cref: 041916-G/SP)
Especialista em Condicionamento Físico e Reabilitação Cardíaca - InCor HCFMUSP
davifmc@osite.com.br

Faça Fisioterapia