Fisioterapia na Cardiologia dentro do Hospital









A fisioterapia cardiorrespiratória e intensivista é uma especialidade ampla da fisioterapia que lida com avaliação, prevenção e tratamento dos distúrbios cardiopulmonares agudos ou crônicos de todas as idades. Tem como objetivo melhorar a eficiência ventilatória ou a redução da sobrecarga dos músculos respiratórios, para evitar a falência dos mesmos; melhorar o condicionamento físico; educar o paciente quanto a respiração correta e a prevenção de doenças e reduzir a sintomatologia

Além de prevenir novas infecções, as técnicas de tratamento e os exercícios respiratórios melhoram o transporte de oxigênio, contribuindo assim para prevenir, reverter ou minimizar as disfunções cardiorrespiratórias, promovendo assim o aumento da funcionalidade e melhora da qualidade de vida dos pacientes.

Acesse o blog de Fisioterapia

Os serviços de fisioterapia podem ser usados em todas as idades e em todos os graus de doença, desde o diagnóstico precoce, durante a doença crônica, episódios agudos e cuidados nos estádios terminais. Como tal os fisioterapeutas têm um claro e específico papel na maioria dos serviços dos cuidados de saúde.

- A fisioterapia cardiorrespiratória tem como objetivo:
- Reduzir os sintomas (dispneia, cansaço, tosse, expectoração)
- Manter ou melhorar a tolerância ao exercício;
- Melhorar a funcionalidade (i.e., através do treino das atividades diárias);
- Manter ou melhorar o nível de atividade física;
- Melhorar a eficiência da ventilação e reduzir o trabalho respiratório;
- Apoiar o desmame da ventilação mecânica e a ventilação não-invasiva;
- Mobilizar e ajudar a remover secreções;
- Treinar/capacitar os doentes para a adoção de comportamentos saudáveis;
- Aumentar a auto-eficácia na gestão da doença
- Reduzir a ansiedade e depressão relacionada com o impacto da doença respiratória
- Reduzir a dor torácica

O acompanhamento fisioterapêutico é indicado nos casos de pneumonia, derrame pleural, insuficiência respiratória, asma, DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica), fibrose cística, bronquite, em pacientes internados e/ou acamados e no pré e pós-operatório. Cabe ao fisioterapeuta avaliar o paciente para identificar, relacionar e escolher o tipo de técnica a ser aplicada de acordo com o quadro clínico do paciente.

Conforme a resolução RDC nº 7, atualmente, é exigido um fisioterapeuta exclusivo para cada 10 leitos na UTI, nos turnos matutino, vespertino e noturno, perfazendo um total de 18 horas de atuação diária. Lembrando que a carga horária exigida pelo profissional é de 30 horas semanais.


Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.