A insuficiência cardíaca pode ser causada por todas as doenças que afetam o coração, direta ou indiretamente. Em princípio, a insuficiênci...

Prevenção dos fatores que agravam a insuficiência cardíaca

https://souenfermagem.com.br/tim.php?src=https://souenfermagem.com.br/uploads/2013/12/insuficiencia-cardiaca-congestiva.jpg&w=480&h=280&zc=1&q=100

A insuficiência cardíaca pode ser causada por todas as doenças que afetam o coração, direta ou indiretamente. Em princípio, a insuficiência cardíaca é unilateral. Se ela afeta a capacidade de bombear o sangue do coração para o resto do corpo, é chamada de insuficiência cardíaca sistólica (ICS). Por outro lado, falamos de insuficiência cardíaca diastólica (ICD), quando há uma falha na capacidade de enchimento de sangue no coração. Em pessoas idosas ou com certas doenças, como hipertensão, podem ser encontrados os dois tipos de insuficiência cardíaca, ao mesmo tempo.

Ao controlar os fatores associados, diminuímos o risco de doenças coronarianas, de modo que contribuam para um melhor funcionamento do coração.

– Mudança no estilo de vida, manter a melhor forma possível;

– Reduzir a obesidade, já que essa condição força o coração a trabalhar mais. Fazer dieta.

– Parar de fumar, já que o fumo aumenta o risco de infarto do miocárdio;

– Controle da diabetes;

– Diminuir a taxa de colesterol com uma dieta;

– Evitar dietas com elevado teor de sal, pois interfere com diuréticos;

– Reduzir o inchaço, elevando as pernas quando estiver sentado ou apoiar a cabeçasobre travesseiros se estiver com água acumulada nos pulmões;

– Diminuir os edemas utilizando meias de compressão.

Treinamento físico é o desempenho de exercício repetitivo para aumentar a capacidade de trabalho físico e para induzir condicionamento físic...

Princípios do condicionamento cardiovascular

http://www.reinaldovelasques.com.br/wp-content/uploads/2015/10/11272771_s.jpg

Treinamento físico é o desempenho de exercício repetitivo para aumentar a capacidade de trabalho físico e para induzir condicionamento físico. Ele deve ser de considerável custo energético em relação ao nível de aptidão do indivíduo e efetuado regularmente durante um período prolongado de tempo (DELISA, 2002).

    A fim de alcançar benefícios, deve-se obedecer aos quatro princípios do condicionamento fisiológico (DELISA, 2002).

Princípio da sobrecarga

    Um exercício, para ser eficaz em aumentar o condicionamento, precisa ser a um nível de trabalho maior do que aquele no qual o indivíduo usualmente desempenha.

Princípio da especificidade

    Cada tipo de exercício produz uma adaptação metabólica e fisiológica específica que resulta em um efeito específico de treinamento. Todos estes tipos de treinamento são importantes em reabilitação para melhorar o desempenho nas atividades de vida diárias e relacionado ao trabalho.

Variação individual

    O treinamento deve ser individualizado de acordo com as capacidades e necessidades da pessoa.

Reversibilidade

    Os efeitos benéficos do treinamento não são permanentes. As melhoras atingidas começam a desaparecer apenas duas semanas depois da cessação do exercício, e a metade dos ganhos pode ser perdida em apenas 5 semanas.

Um bom programa de condicionamento físico deve incluir os seguintes itens:

1. Aquecimento: prepara o sistema cardiovascular para o exercício.
2. Alongamento: para assegurar a amplitude articular máxima.
3. Exercícios de força.
4. Treinamento de resistência.
5. Atividades específicas do esporte: para automatizar as tarefas motoras específicas de cada esporte
6. Desaquecimento.
7. Técnicas de relaxamento: para recuperação da fadiga e redução do estresse.

O maior objetivo de um programa de reabilitação cardiovascular amplo é o alcance de uma condição de saúde ótima para cada paciente. Assim como a manutenção dessa condição não somente física e psicológica, mas também social, vocacional e econômica.

Não há duvidas que o exercício físico melhora a qualidade de vida, por trazer consequências físicas e psíquicas. Previne doenças, otimiza o condicionamento físico e as funções cardíaca e muscular. Por outro lado, é muito importante especialmente para pacientes cardíacos, porque além dos benefícios cardiovasculares diretos, a atividade física alivia a ansiedade o sentimento de desamparo.

 Um programa de reabilitação cardíaca eficaz e seguro precisa ser fundamentado na avaliação contínua e objetiva de suas respostas. Cada alteração no programa de exercício do paciente precisa ser baseada em uma detalhada avaliação objetiva. A fisioterepeuta Dra Daniela Souto complementa: "A chave para conseguir resultados benéficos dos exercícios nos vários sistemas do organismo é o planejamento e implementação de um programa de exercício aeróbico em termos da intensidade, duração e frequência."

A sobrecarga cardiovascular tem que ser capaz de estimular aumentos no volume de ejeção e no débito cardíaco. Essa sobrecarga circulatória central deve ser realizada exercitando os grupos musculares específicos para determinado desporto de forma a aprimorar sua circulação local e seu maquinismo metabólico.

 O exercício atua diminuindo a progressão da aterosclerose coronariana através da redução dos fatores de risco; melhora o equilíbrio entre o suprimento e a demanda de oxigênio miocárdico em parte como resultado do aumento da circulação colateral; diminuição da tendência a formar trombos coronarianos devido ao aumento da atividade fibrolítica e diminui o tônus vasomotor coronariano resultando em menor tendência para espasmo.

Faça Fisioterapia