Recuperação mais rápida nas cirurgias de ponte de safena


>




A Cirurgia de Revascularização do Miocárdio (RM), ou Ponte de Safena, é um procedimento criado para restaurar o fluxo de sangue para o coração. Muitos pacientes se surpreendem ao saber que uma "cirurgia de ponte de safena" inclui, na verdade, dois procedimentos cirúrgicos:

1. Primeiro, um ou mais vasos sanguíneos saudáveis são coletados de seu tórax, perna ou braço, para utilizar como ponte, sendo a artéria mamária, veia safena ou artéria radial respectivamente;

2. Em seguida, o cirurgião cria a ponte, na(s) artéria(s) coronária(s) danificada(s) ou bloqueada(s), no coração. Com essas novas pontes, o coração poderá, então, receber seu suprimento de oxigênio tão necessário. Hoje, para a extração da veia safena, são necessárias várias incisões desde a virilha até o tornozelo, ou uma única longa incisão por toda a perna. Caso não ocorra nenhuma complicação no membro (como infecções, edemas, tromboses, dor e hematoma), a recuperação do paciente é considerada rápida. Porém, o paciente terá que conviver com o desconforto estético devido a uma cicatriz aparente.

Técnicas cirúrgicas minimamente invasivas fazem parte da rotina da cirurgia cardíaca, e hoje, os pacientes submetidos a Revascularização do Miocárdio também podem ser beneficiados no Brasil, pelo EVH (coleta endoscópica de vasos). Através desta técnica, o corte da perna é de apenas dois centímetros, o que facilita o processo de cicatrização. O cirurgião realiza a retirada dos vasos através deste pequeno corte. Como resultado, há menor risco das complicações mencionadas acima, permitindo um retorno mais rápido às atividades normais. Esteticamente, o ganho é ainda maior, pois a cicatriz é praticamente imperceptível.

Devido a redução de complicações pós-operatórias frequentes, foram realizadas, no mundo, mais de um milhão de cirurgias, desde 1997. Além disso, a experiência dos hospitais que têm utilizado o EVH demonstra melhora da recuperação dos pacientes a curto, médio e longo prazos. Os médicos são unânimes sobre os benefícios de um procedimento com a mesma eficiência que o sistema clássico, só que com menos agressão ao paciente. Como as cirurgias com pequena incisão, o EVH, criado pela MAQUET, permite a mobilização precoce, o que é fundamental para uma cirurgia cardíaca. Além disso, como são feitas duas pequenas incisões, a dor é praticamente inexistente. Outro aspecto importante é a redução drástica de infecção na ferida, o que beneficia também os pacientes obesos ou com alguma limitação de mobilidade.

Para utilizar o EVH, há necessidade da realização de um treinamento específico, para não prejudicar a qualidade do enxerto, que é sem dúvida, o mais importante, porque não adianta oferecer o benefício estético, em detrimento da qualidade do enxerto.

História da cirurgia - A maioria das pessoas conhece o procedimento como cirurgia de Ponte de Safena, mas, na verdade, o termo correto é Revascularização do Miocárdio, que começou a ser feito no final da década de 60, para restabelecer o fluxo de sangue a áreas do coração, aliviar os sintomas e reparar a função da sua contração. Na década de 70, passou a ser o procedimento cirúrgico mais realizado no mundo, por melhorar a qualidade de vida e aumentar a sobrevida de milhões de pacientes. Desde então, é o procedimento mais estudado na medicina.

Em 1986, estudos comprovaram a eficácia da utilização da veia mamária. Mas, nos casos de necessidade de revascularização de mais de um ou dois vasos, a veia safena é a mais utilizada em todo o mundo.

(*) Professor Dr. Fernando Moraes é cirurgião cardiovascular do Instituto do Coração de Pernambuco.
Recuperação mais rápida nas cirurgias de ponte de safena Recuperação mais rápida nas cirurgias de ponte de safena Revisado by Faça Fisioterapia on 06:10 Nota: 5