Exercícios físicos são fundamentais para tratar casos de infarto











O infarto do miocárdio é uma complicação cardiovascular que acomete milhares de pessoas todos os anos no Brasil. Por causa disso, pesquisadores da Faculdade de Medicina (FM) da USP desenvolveram um estudo que analisou o impacto dos treinamentos físicos no tratamento de recuperação de pacientes com essa condição. Os resultados revelaram que, mesmo sob medicação, o paciente que não desempenha atividades físicas não apresenta melhora no quadro de saúde.

A tese de doutorado do médico Daniel Godoy Martinêz buscou avaliar se o treinamento físico, realizado por um período de seis meses, melhorava o controle neurovascular e a capacidade física dos pacientes com síndromes isquêmicas miocárdicas instáveis, como, por exemplo, o infarto agudo do miocárdio.

Segundo Daniel, os resultados obtidos possuem grande implicação clínica, já que, mesmo medicados, os pacientes que não realizaram o programa regular de exercícios continuavam apresentando um quadro negativo para a ocorrência de novos infartos. “Também podemos destacar que a condição física dos pacientes que realizaram o treinamento físico foi significativamente melhorada. Desta forma, o treinamento físico aparece como uma conduta extremamente importante para essas pessoas”, ressalta o pesquisador.

Durante as avaliações feitas nos pacientes, os médicos utilizaram uma técnica chamada microneurofagia, que seria a medição direta da atividade nervosa simpática muscular, utilizando um microeletrodo implantado no corpo do paciente examinado. “Somada à essa técnica, também executamos a pletismografia de oclusão venosa, que nos permite avaliar o fluxo sanguíneo muscular durante uma manobra fisiológica, como o exercício, e a avaliação cardiopulmonar, também conhecida como ergoespirometria, que nos fornece a avaliação da capacidade física do paciente por meio da medida direta do consumo máximo de oxigênio durante um teste de grande esforço”, completa o pesquisador. Esta avaliação permitiu a prescrição do exercício físico aeróbio de forma individualizada e precisa para cada paciente. A pressão arterial do paciente também foi acompanhada através de eletrocardiogramas.

Número elevado de casos

Daniel destaca que o número de pessoas que sofrem de infarto agudo do miocárdio é muito elevado, e que esse é um quadro de alerta. “A cada dia e semana vários pacientes procuravam o Instituto do Coração (InCor) procurando atendimento com o diagnóstico de infarto agudo do miocárdio. De fato, conforme as estatísticas, a doença cardiovascular e, em especial a doença isquêmica do coração, é uma das principais causas de óbito da população brasileira”, afirma.

Segundo ele, os resultados do estudo mostram que a reabilitação cardiovascular baseada em exercício é uma importante conduta não farmacológica que deveria ser adotada como política pública de saúde e utilizada pelas instituições de saúde no tratamento das doenças cardiovasculares, em especial após infarto agudo do miocárdio.

Fonte: Faculdade de Medicina - USP
Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.