Existem algumas contra-indicações à prática de exercícios físicos por parte de pessoas portadoras de DCV, estas são apontadas no I Conse...

Atividade física: Contra-indicações e riscos para portadores doenças cardiovasculares




Existem algumas contra-indicações à prática de exercícios físicos por parte de pessoas portadoras de DCV, estas são apontadas no I Consenso Nacional de Reabilitação Cardiovascular e estão apresentadas no quadro a seguir:

  • Insuficiência cardíaca

  • Infarto agudo do miocárdio

  • Angina estável grau IV (CCS) e instável

  • Miocardite ativa

  • Pericardite aguda

  • Aneurismas de aorta torácica ou abdominal

  • Embolias pulmonar ou sistêmica recentes

  • Tromboflebite

  • Hipertensão pulmonar ou arterial grave não tratadas

  • Estenose aórtica e insuficiência mitral graves

  • Taquicardia ventricular, em repouso

  • Infecções agudas

  • Lesão de tronco de coronária esquerda ou equivalente, não tratadas

  • Obstrução arterial periférica graus III, IV e II limitante (Fontaine)

  • Retinopatia diabética com deslocamento de retina

A Cirurgia de Revascularização do Miocárdio (RM), ou Ponte de Safena, é um procedimento criado para restaurar o fluxo de sangue para o cor...

Recuperação mais rápida nas cirurgias de ponte de safena


A Cirurgia de Revascularização do Miocárdio (RM), ou Ponte de Safena, é um procedimento criado para restaurar o fluxo de sangue para o coração. Muitos pacientes se surpreendem ao saber que uma "cirurgia de ponte de safena" inclui, na verdade, dois procedimentos cirúrgicos:

1. Primeiro, um ou mais vasos sanguíneos saudáveis são coletados de seu tórax, perna ou braço, para utilizar como ponte, sendo a artéria mamária, veia safena ou artéria radial respectivamente;

2. Em seguida, o cirurgião cria a ponte, na(s) artéria(s) coronária(s) danificada(s) ou bloqueada(s), no coração. Com essas novas pontes, o coração poderá, então, receber seu suprimento de oxigênio tão necessário. Hoje, para a extração da veia safena, são necessárias várias incisões desde a virilha até o tornozelo, ou uma única longa incisão por toda a perna. Caso não ocorra nenhuma complicação no membro (como infecções, edemas, tromboses, dor e hematoma), a recuperação do paciente é considerada rápida. Porém, o paciente terá que conviver com o desconforto estético devido a uma cicatriz aparente.

Técnicas cirúrgicas minimamente invasivas fazem parte da rotina da cirurgia cardíaca, e hoje, os pacientes submetidos a Revascularização do Miocárdio também podem ser beneficiados no Brasil, pelo EVH (coleta endoscópica de vasos). Através desta técnica, o corte da perna é de apenas dois centímetros, o que facilita o processo de cicatrização. O cirurgião realiza a retirada dos vasos através deste pequeno corte. Como resultado, há menor risco das complicações mencionadas acima, permitindo um retorno mais rápido às atividades normais. Esteticamente, o ganho é ainda maior, pois a cicatriz é praticamente imperceptível.

Devido a redução de complicações pós-operatórias frequentes, foram realizadas, no mundo, mais de um milhão de cirurgias, desde 1997. Além disso, a experiência dos hospitais que têm utilizado o EVH demonstra melhora da recuperação dos pacientes a curto, médio e longo prazos. Os médicos são unânimes sobre os benefícios de um procedimento com a mesma eficiência que o sistema clássico, só que com menos agressão ao paciente. Como as cirurgias com pequena incisão, o EVH, criado pela MAQUET, permite a mobilização precoce, o que é fundamental para uma cirurgia cardíaca. Além disso, como são feitas duas pequenas incisões, a dor é praticamente inexistente. Outro aspecto importante é a redução drástica de infecção na ferida, o que beneficia também os pacientes obesos ou com alguma limitação de mobilidade.

Para utilizar o EVH, há necessidade da realização de um treinamento específico, para não prejudicar a qualidade do enxerto, que é sem dúvida, o mais importante, porque não adianta oferecer o benefício estético, em detrimento da qualidade do enxerto.

História da cirurgia - A maioria das pessoas conhece o procedimento como cirurgia de Ponte de Safena, mas, na verdade, o termo correto é Revascularização do Miocárdio, que começou a ser feito no final da década de 60, para restabelecer o fluxo de sangue a áreas do coração, aliviar os sintomas e reparar a função da sua contração. Na década de 70, passou a ser o procedimento cirúrgico mais realizado no mundo, por melhorar a qualidade de vida e aumentar a sobrevida de milhões de pacientes. Desde então, é o procedimento mais estudado na medicina.

Em 1986, estudos comprovaram a eficácia da utilização da veia mamária. Mas, nos casos de necessidade de revascularização de mais de um ou dois vasos, a veia safena é a mais utilizada em todo o mundo.

(*) Professor Dr. Fernando Moraes é cirurgião cardiovascular do Instituto do Coração de Pernambuco.

Ecocardiograma é um método diagnóstico que utiliza um princípio semelhante ao do ultrassom. É muito usado para a detecção de alterações e...

Saiba mais sobre o Ecocardiograma?



Ecocardiograma é um método diagnóstico que utiliza um princípio semelhante ao do ultrassom. É muito usado para a detecção de alterações estruturais ou funcionais do coração, pois fornece informações sobre a anatomia e a morfologia do órgão. Permite avaliar as medidas e a mobilidade das válvulas cardíacas e das paredes das diferentes cavidades do coração, além de características do fluxo sanguíneo.

Por que fazer o exame?

Determinados resultados do ecocardiograma podem sugerir uma doença em fase inicial ou até congênita que não tenha se expressado até aquele momento. Um dos principais objetivos do exame é determinar se existem alterações estruturais no coração como hipertrofia (aumento do músculo cardíaco), por exemplo.

Como é realizado?

O paciente fica deitado de barriga para cima, inclinado sobre o lado esquerdo. É aplicado um gel no tórax para facilitar a condutividade das ondas sonoras. O técnico também coloca sobre o peito do paciente um pequeno dispositivo semelhante a um microfone, denominado transdutor, que será responsável por captar o retorno dos sons e ajudar a formar as imagens do músculo cardíaco. O exame dura em torno de 20 minutos.

Existe algum tipo de preparo específico?

Para adultos, não.

Para crianças, recomenda-se jejum de 4 a 6 horas. No caso de crianças pequenas, pode-se recorrer à sedação para evitar que ela fique agitada e atrapalhe a captação das estruturas cardíacas. - See more at: http://www.coracaoalerta.com.br/noticias/ecocardiograma/#sthash.bQZzjaZO.dpuf

O infarto do miocárdio é uma complicação cardiovascular que acomete milhares de pessoas todos os anos no Brasil. Por causa disso, pesqui...

Exercícios físicos são fundamentais para tratar casos de infarto





O infarto do miocárdio é uma complicação cardiovascular que acomete milhares de pessoas todos os anos no Brasil. Por causa disso, pesquisadores da Faculdade de Medicina (FM) da USP desenvolveram um estudo que analisou o impacto dos treinamentos físicos no tratamento de recuperação de pacientes com essa condição. Os resultados revelaram que, mesmo sob medicação, o paciente que não desempenha atividades físicas não apresenta melhora no quadro de saúde.

A tese de doutorado do médico Daniel Godoy Martinêz buscou avaliar se o treinamento físico, realizado por um período de seis meses, melhorava o controle neurovascular e a capacidade física dos pacientes com síndromes isquêmicas miocárdicas instáveis, como, por exemplo, o infarto agudo do miocárdio.

Segundo Daniel, os resultados obtidos possuem grande implicação clínica, já que, mesmo medicados, os pacientes que não realizaram o programa regular de exercícios continuavam apresentando um quadro negativo para a ocorrência de novos infartos. “Também podemos destacar que a condição física dos pacientes que realizaram o treinamento físico foi significativamente melhorada. Desta forma, o treinamento físico aparece como uma conduta extremamente importante para essas pessoas”, ressalta o pesquisador.

Durante as avaliações feitas nos pacientes, os médicos utilizaram uma técnica chamada microneurofagia, que seria a medição direta da atividade nervosa simpática muscular, utilizando um microeletrodo implantado no corpo do paciente examinado. “Somada à essa técnica, também executamos a pletismografia de oclusão venosa, que nos permite avaliar o fluxo sanguíneo muscular durante uma manobra fisiológica, como o exercício, e a avaliação cardiopulmonar, também conhecida como ergoespirometria, que nos fornece a avaliação da capacidade física do paciente por meio da medida direta do consumo máximo de oxigênio durante um teste de grande esforço”, completa o pesquisador. Esta avaliação permitiu a prescrição do exercício físico aeróbio de forma individualizada e precisa para cada paciente. A pressão arterial do paciente também foi acompanhada através de eletrocardiogramas.

Número elevado de casos

Daniel destaca que o número de pessoas que sofrem de infarto agudo do miocárdio é muito elevado, e que esse é um quadro de alerta. “A cada dia e semana vários pacientes procuravam o Instituto do Coração (InCor) procurando atendimento com o diagnóstico de infarto agudo do miocárdio. De fato, conforme as estatísticas, a doença cardiovascular e, em especial a doença isquêmica do coração, é uma das principais causas de óbito da população brasileira”, afirma.

Segundo ele, os resultados do estudo mostram que a reabilitação cardiovascular baseada em exercício é uma importante conduta não farmacológica que deveria ser adotada como política pública de saúde e utilizada pelas instituições de saúde no tratamento das doenças cardiovasculares, em especial após infarto agudo do miocárdio.

Fonte: Faculdade de Medicina - USP

A Holiday Heart Syndrome (síndrome do coração pós-feriados ou festas) é um conjunto de sinais e sintomas caracterizados pela presença de ...

Cuidado com o coração no Carnaval



A Holiday Heart Syndrome (síndrome do coração pós-feriados ou festas) é um conjunto de sinais e sintomas caracterizados pela presença de palpitações e desconforto no peito, causados por arritmias cardíacas , após uma ingesta excessiva de bebidas alcóolicas nos feriados e em situações festivas . Em alguns pacientes predispostos , mesmo uma ingesta modesta de álcool poderá desencadear os sintomas dessa síndrome.

O etanol é um estimulante do sistema elétrico do coração e , em pessoas predispostas , pode causar um percepção anormal e desconfortável dos batimentos cardíacos ( palpitações ). Estas pessoas , em geral , não costumam apresentar um histórico prévio de doenças cardíacas.

A arritmia cardíaca típica dessa síndrome é a fibrilação atrial , a qual costuma cessar espontaneamente em um período de 24 horas. Outras alterações do estímulo elétrico cardíaco, também podem ocorrer . O uso de maconha ou de outros estimulantes , também podem contribuir para o aparecimento da doença.

mbora este quadro possa ser recorrente, seu curso costuma ser benigno , não exigindo ( além da abstinência alcóolica ) o uso de medicamentos de uma forma contínua para evitar novos episódios.

www.portaldocoracao.com.br

Faça Fisioterapia