Prescrição de exercícios na doença arterial coronariana e infarto agudo do miocárdio








Para a prescrição segura de exercícios físicos para cardiopatas é necessário que essa seja individualizada e leve em consideração a individualidade do sujeito. Na elaboração do programa deve-se abordar a intensidade do exercício, a freqüência, a duração e o tipo de exercício, sendo que, em relação a este último, Godoy (1997) afirma que “em programas de atividade física, visando à saúde e a qualidade de vida, devem estar incluídas: resistência aeróbia, resistência muscular localizada (RML) e flexibilidade”.

Para determinação da intensidade do exercício utiliza-se geralmente a escala de Borg ou a freqüência cardíaca de treinamento. Com a utilização da escala de Borg de acordo com a percepção subjetiva de esforço (PSE) do indivíduo nas fases iniciais do treinamento determina-se a intensidade do exercício que corresponda com a percepção do sujeito em 10 a 12 pontos da escala de Borg graduada de 6 a 20 (GODOY, 1997). Na prescrição através da FC treinamento utiliza-se a fórmula de Karvonen baseando-se na FC máxima, obtida através da ergometria ou através da fórmula FC máx.= 220 – idade, na FC repouso e na porcentagem da FC para o treinamento, que deve variar entre 50 a 80%. Nesse caso utiliza-se a seguinte fórmula: FC treinamento = (FC máx. – FC rep.) x % de treinamento físico + FC rep. (ALVES et al., 2005; GARDENGHI; DIAS, 2007). Em relação à freqüência e duração em programas de reabilitação cardiovascular, as sessões de treinamento devem ser realizadas com uma freqüência de 3 a 5 vezes semanais e com duração mais prolongada entre 30 e 60 minutos (Ibidem).

Os exercícios físicos aeróbios por envolverem grandes grupos musculares, serem realizados de forma cíclica e mantidos por longo período de tempo geralmente são os mais utilizados com indivíduos cardiopatas e são bastante eficientes tanto na prevenção quanto na reabilitação cardiovascular.

Os exercícios de resistência são também de grande importância por atuarem na manutenção da força muscular necessária para a realização das atividades diárias. Para a reabilitação cardiovascular estes devem ser realizados preferencialmente de forma dinâmica (isotônica), com uma carga de até 50 a 60% da carga voluntária máxima, em séries (cerca de 3) de aproximadamente 15 repetições, com um intervalo mais prolongado entre as séries (GODOY, 1997; ALVES et al., 2005; GARDENGHI; DIAS, 2007).

Fonte
Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.