Para a adequada prescrição de programas de exercícios para a reabilitação cardiovascular é importante que se realize antes um teste er...

Saiba mais sobre o teste ergométrico




Para a adequada prescrição de programas de exercícios para a reabilitação cardiovascular é importante que se realize antes um teste ergométrico ou se possível ergoespirométrico, já que estes “contribuem para definir a intensidade do exercício mais adequada à capacidade física do indivíduo e embasar a progressão do condicionamento” (ALVES et al., 2005).

O teste ergométrico é o registro da atividade elétrica do coração através de eletrocardiograma durante esforço físico e pode ser realizado em esteira ergométrica ou cicloergômetro. O teste ergométrico pode ser realizado isoladamente ou combinado com a análise dos gases expirados (ergoespirometria), sendo que sempre que possível deve ser utilizado este segundo, uma vez que “além de avaliar a capacidade de reserva funcional do sistema cardiovascular e respiratório, fornece dados como o consumo de pico de oxigênio, produção de dióxido de carbono, ventilação pulmonar, pressão expirada de oxigênio e de dióxido de carbono, entre outros dados” (GARDENGHI; DIAS, 2007), apresentando grande importância clínica para análise e prescrição segura de exercícios físicos para indivíduos cardiopatas.

As finalidades para a realização do teste ergométrico estão apresentadas a seguir:

Avaliação da capacidade funcional

Determinação do risco para futuros eventos

Determinação de fatores limitantes

Reavaliação do esquema terapêutico

Orientação para a prescrição de atividades físicas e programas de reabilitação

Seleção de pacientes com indicação de estudo hemodinâmico

Efeitos psicológicos e avaliação prognóstica

A ponte de safena é necessária quando as artérias que fornecem sangue para o coração estão bloqueadas, geralmente pelo placas nas artéri...

Como fazer exercícios após uma ponte de safena




A ponte de safena é necessária quando as artérias que fornecem sangue para o coração estão bloqueadas, geralmente pelo placas nas artérias coronárias. Durante a cirurgia de bypass (que é a transferencia de uma veia ou artéria saudável para o lugar que há as pacas), a veia ou artéria saudável é então ligada à artéria bloqueada criando uma nova passagem para o coração. A nova passagem redireciona sangue rico em oxigênio ao redor da artéria bloqueada para o coração. São reparadas quatro artérias bloqueadas por vez.

Depois da cirurgia de ponte de safena, o paciente ainda terá a doença arterial coronariana, por isso é muito importante para uma dieta saudável e começar um programa de exercícios regular.

Há um período de recuperação de 6-8 semanas após a recepção de um bypass. Durante este tempo, há um exercício diretrizes poucos um deve seguir para garantir uma rápida recuperação.

A primeira parte da reabilitação começará no hospital. A equipe de fisioterapia vai trabalhar com você para ter certeza de que você pode deambular (andar) e que são estáveis em seus pés.

A equipe de fisioterapia, juntamente com o seu cirurgião irá explicar algumas coisas que você não vai ser em voz alta para fazer até a sua incisão cicatriza.

Você não deve levantar mais de 5-10 libras, fazer trabalhos domésticos extenuante como vacuming ou lavanderia, até que você é dado o OK por seu cirurgião.

Você deve começar com caminhadas leves, cerca de 3-5 minutos a uma hora, várias vezes ao dia, 3-7 dias por semana. Sua maneira de trabalhar lentamente como você se sentir melhor. Seu objetivo deve ser o de exercer 45-60 minutos, 3-7 dias por semana.

O levantamento de peso é permitido quando você sentir-se a ele, mas você não será capaz de levantar mais de 10 quilos até sua incisão é curada ou o seu cirurgião limpa você. Exercícios de resistência pode fazer a sua recuperação mais rápido e acelerar o processo de cicatrização. Mas, como em pé, começar a fazer 3-5 minutos e sua maneira de trabalhar. Certifique-se de que você tem o seu desembaraço cirurgiões antes de começar qualquer exercício de rolamento de peso.

Se você sentir dor no peito, abrandar ou parar. Se a dor no peito não diminuir e desaparecer sem nenhuma atividade, você precisa ligar para o 911 e procure assistência médica imediatamente.

Tenha cuidado durante o período de recuperação para não exagerar com qualquer tipo de atividade, como o seu coração ea incisão ainda estão cicatrizando. Você ainda se sente cansado por um tempo, mas deve se recuperar rapidamente se você seguir as instruções do seu cirurgião.

Depois de passar o seu período de recuperação inicial (que é de cerca de 6-8 semanas), você pode retornar às suas atividades diárias normais, desde que você tenha sido desmarcada por seu cirurgião.

Lembre-se, você ainda tem a doença arterial coronariana após o ter tido o seu desvio. É mais importante a se exercitar regularmente e começar uma dieta saudável para o coração.

Fontes: Reese, Steven LPN, Bernstein, 2009, Sukala, W 1982

Pacientes que sofreram algum evento cardíaco ou que foram submetidos a procedimentos cardiovasculares como angioplastias e cirurgias pode...

Benefícios da fisioterapia em pacientes cardíacos




Pacientes que sofreram algum evento cardíaco ou que foram submetidos a procedimentos cardiovasculares como angioplastias e cirurgias podem se beneficiar do acompanhamento da equipe de fisioterapia do Vila da Serra.

O serviço é constituído por um grupo de fisioterapeutas mestres em reabilitação, especialistas em fisioterapia cardiorrespiratória, terapia intensiva e profissionais gabaritados em gestão hospitalar e qualidade em saúde.

A equipe presta assistência aos pacientes cardiopatas e seus familiares por 24 horas, com a preocupação constante nas atualizações científicas e uma prática clínica alinhada às necessidades dos pacientes e da equipe multidisciplinar.

O atendimento tem o intuito de minimizar os efeitos deletérios do repouso no leito, melhorar a capacidade física e reduzir as complicações inerentes à internação, como pneumonias, embolias, entre outras. Indivíduos internados após um evento cardíaco evoluem com perda da capacidade funcional, baixo condicionamento físico e, muitas vezes, tornam-se incapazes de retornar às atividades familiares, sociais e/ou profissionais.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a reabilitação cardíaca é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio esforço, reconquistar uma posição normal na comunidade e levar uma vida ativa e produtiva. Desta forma, a atuação da equipe multidisciplinar no programa de reabilitação cardíaca é apresentada como fator favorável ao paciente, sendo composta por médicos, fisioterapeutas, nutricionistas, enfermeiros e psicólogos.

A atuação do fisioterapeuta na reabilitação cardíaca do paciente internado inicia-se a partir de uma avaliação. Ela inclui a anamnese, o exame físico e, sempre que possível, testes de aptidão.

O atendimento baseia-se em exercícios de baixa intensidade, técnicas para prevenção de complicações pulmonares e para o controle do estresse e educação em relação aos fatores de risco.

Os pacientes são atendidos na UTI cardiovascular e nas Unidades de Internação. As sessões podem ser iniciadas imediatamente a entrada do paciente no hospital ou após 12 horas do evento cardíaco, dependendo da necessidade e das condições clínicas da pessoa.

Inicialmente são realizadas atividades de auto-assistência, mudanças posturais e exercícios respiratórios. Em seguida, os pacientes são inseridos em programas estruturados com exercícios variados.

O programa traz diversos benefícios aos cardiopatas, como a redução da frequência cardíaca de repouso, a diminuição dos níveis de pressão arterial, o aumento do consumo de oxigênio, a melhora da força muscular, a melhora da capacidade para realizar as tarefas do dia a dia, a redução da ansiedade e o ganho na qualidade de vida.

As novas técnicas terapêuticas permitem que a maioria dos pacientes tenham alta hospitalar precocemente, sem perder a capacidade funcional.

Por Clarissa Maria de Pinho Matos

O tratamento mais eficiente para o infarto é o cateterismo cardíaco, que consiste em introduzir um cateter que caminha de uma artéria peri...

Melhor tratamento para infarto do miocárdio



O tratamento mais eficiente para o infarto é o cateterismo cardíaco, que consiste em introduzir um cateter que caminha de uma artéria periférica (localizada nos na região da virilha ou dos membros superiores) até o coração para que haja injeções de contraste com o intuito de obter imagens em raio-x e, através destas, identificar a presença das placas de gordura e o local de obstrução da artéria.

No caso de haver obstruções importantes, o cateterismo deve ser seguido pela angioplastia, que é feita com o objetivo de desobstruir a artéria do paciente.

O procedimento é feito através de um cateter com um minúsculo balão na ponta que é insuflado dentro da artéria problemática, desobstruindo assim as placas de gordura e sangue que entupiram a artéria. Além disso, é usada uma mini tela feita de aço chamada “Stent”, que aberta facilita o fluxo de sangue no coração.

Quando esses procedimentos médicos são realizados nas primeiras horas após o incidente, os índices de sucesso são altos, maiores de 95% e com as taxas de risco menores que 5%, sendo o tratamento mais eficaz para estes casos. O procedimento: O cateterismo será realizado sob anestesia local ou sedação, através da punção de uma artéria na virilha (mais frequente), no punho ou no braço, e através da injeção de contraste iodado será identificado, através de imagens de raios X digitalizadas, o entupimento da coronária que está causando o infarto.

O procedimento é pouco doloroso e é seguro, com risco de complicações gerais menor que 0,5%.

Na maioria das vezes, procede-se a angioplastia coronária na sequência do cateterismo para desobstruir a coronária entupida podendo ser utilizados para isso, cateteres-balões, cateteres de aspiração de coágulos e o implante de stent. A taxa de sucesso deste procedimento é de cerca de 97% e com isso conseguimos diminuir o risco do paciente de 50% para cerca de 5% de morte após um Infarto.

Faça Fisioterapia