Frequência cardíaca elevada em repouso é associada a risco de morte










Um estudo publicado na semana passada no periódico Heart sugere que uma frequência cardíaca mais elevada durante o repouso é um preditor independente de mortalidade – mesmo em pessoas saudáveis e em boa condição física.

Pesquisadores dinamarqueses efetuaram exames físicos, iniciados em 1971, em 5.249 homens saudáveis de meia-idade e idosos. Em 1985 e 1986, eles rastrearam os sobreviventes, dos quais havia 3.354. Destes, 2.798 tinham dados suficientes sobre a frequência cardíaca e o consumo de oxigênio para a análise. Os pesquisadores os acompanharam até 2011.

Depois do controle para aptidão física e muitos outros fatores, foi descoberto que quanto maior a frequência cardíaca no repouso, maior o risco de morte. Em comparação com os homens com índices de 50 batimentos por minuto ou menos, aqueles com batimentos entre 71 e 80 apresentaram um risco de morte 51 por cento maior. Entre 81 e 90 batimentos, a taxa de mortalidade foi duplicada, e acima de 90 foi triplicada.

"Se você tem duas pessoas saudáveis", disse o autor principal, Magnus Thorsten Jensen, pesquisador do Hospital Gentofte da Universidade de Copenhagen, "exatamente com a mesma idade, condicionamento físico, pressão arterial e assim por diante, a pessoa com a maior frequência cardíaca no repouso será mais propensa a ter uma vida mais curta".
Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.