Tradicionalmente, os Cardiologistas têm direcionado seus esforços maiores no diagnóstico e no tratamento da doença arterial na árvore co...

A aterosclerose na visão do Cardiologista


Tradicionalmente, os Cardiologistas têm direcionado seus esforços maiores no diagnóstico e no tratamento da doença arterial na árvore coronária, com menor foco no acometimento da aorta e das carótidas e sem uma forte atenção para a doença nas artérias renais e nas dos membros inferiores.

Com o conhecimento que fomos adquirindo nas últimas duas décadas, esta postura não contempla a percepção de que, sendo a aterosclerose uma doença sistêmica e os acometimentos dos territórios não coronários, fortes marcadores de risco de eventos cardiovasculares, o foco de atenção deve sempre ser o aparelho cardiovascular como um todo.

Em contraste com a doença coronária, a prevalência da afecção aterosclerótica não coronária depende da população estudada, do método diagnóstico empregado e se os sistemas são considerados e incluídos na estimativa. O que se observa, em geral, é que a doença extracardíaca é subdiagnosticada e, por isto, subtratada. Por exemplo, a doença arterial periférica, em grandes populações estudadas nos Estados Unidos, Europa e Oriente Médio, varia de 4,6% a 19,1%. Menos prevalente em jovens, atinge mais os idosos e os homens do que as mulheres.

Uma série de fatores de risco modificáveis está associada à doença arterial coronária, mas também contribui para aterosclerose da circulação extracardíaca. Neste particular, além do tabagismo, da dislipidemia, da hipertensão e da hiperhomocisteinemia, o diabetes melito goza um papel relevante, em especial se considerarmos sua crescente incidência, ano a ano, em decorrência do envelhecimento das populações e do aumento da obesidade e do sedentarismo. A aterosclerose cardiovascular no diabético é mais extensa e mais grave, com maior propensão à calcificação e maior acometimento distal. No estudo de Framinghan, o diabetes contribui mais como fator de risco para doença arterial periférica do que para doença coronária ou acidente vascular cerebral.

Após o reconhecimento, o tratamento da aterosclerose cardiovascular como um todo é igualmente desafiante, não só pela variedade de acometimentos isolados e múltiplos, de opções farmacológicas, percutâneas, cirúrgicas e associações terapêuticas, como pelo custoefetividade e segurança oferecidos pelas diversas propostas de tratamento, no curto e longo prazos.

A terapêutica não farmacológica, que visa à mudança do estilo de vida, incluindo: alimentação adequada, exercícios programados e postura anti-stress, tem comprovado eficiência como coadjuvante de todas as outras formas de tratamento.

Entre os fármacos, os quatro grupos de medicamentos recomendados (antiplaquetários, estatinas, betabloqueadores e inibidores da ECA) oferecem reais probabilidades de melhor evolução clínica, com excelentes efeitos na redução dos eventos, por meio de vários mecanismos, entre eles a estabilização das placas ateroscleróticas (estenóticas ou não), a inibição dos fenômenos trombóticos, com a prevenção das síndromes oclusivas arteriais agudas.

Por outro lado, contemplamos a extraordinária evolução das técnicas de revascularização percutânea, de maneira rápida e constante, nos últimos anos, com a introdução de métodos e técnicas, com sem número de novos materiais e, principalmente, com grande evolução na habilidade e desempenho dos intervencionistas, que se deparam, cada vez mais, com casos complexos e desafiadores da competência.

Fonte

Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter



Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Indicação de Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Poste um Comentário

Faça Fisioterapia