Fis A obra serve de consulta e complemento ao conhecimento de fisioterapeutas p...

Fisioterapia Cardiovascular: Avaliação e Conduta na Reabilitação


  • Fis
    Fisioterapia Cardiovascular: Avaliação e Conduta na Reabilitação...

  • A obra serve de consulta e complemento ao conhecimento de fisioterapeutas profissionais para o atendimento de pós-infartados e de pacientes submetidos a cirurgias cardíacas em geral, tanto no ambiente hospitalar como também de forma continuada no ambiente domiciliar (home care).

    Este livro fornece informações necessárias para a formação dos que estão se graduando e iniciando no mercado de trabalho.

  • Editora: Manole
  • ISBN: 9788520429747
  • Origem: Nacional

"Colesterol, os médicos fazem um alerta à população sobre a necessidade de controlar seus níveis. O objetivo principal é detectar alt...

O que você precisa saber sobre Colesterol?

"Colesterol, os médicos fazem um alerta à população sobre a necessidade de controlar seus níveis. O objetivo principal é detectar alterações e corrigi-las a tempo de evitar a ocorrência de doenças cardiovasculares, muitas vezes fatais.".

Introdução

O Dia Nacional de Combate ao Colesterol é um convite para mudanças de hábitos alimentares, a prática de atividades físicas, o abandono do tabaco e o controle de outras doenças, como diabetes e hipertensão arterial. A Sociedade Brasileira de Cardiologia, promove campanhas educativas em diversas capitais, nesta data, visando reduzir o número de vítimas da aterosclerose e do infarto do miocárdio.

Os Lipídios (Fosfolipídios, Triglicerídios e Colesterol)

Os chamados lipídios são substâncias produzidas pelo organismo, podendo também ser ingeridos através dos alimentos. Compreendem os fosfolipídios (fundamentais para a formação das membranas das células), os triglicerídios, (substâncias que armazenam energia no organismo), o colesterol, os glicolipídios, os poliisoprenóides e outros compostos. O colesterol é uma molécula que se comporta como gordura (embora sua composição bioquímica não seja de gordura e, sim de álcool complexo). Tem diversas funções: constituir a membrana das células, revestir as estruturas intracelulares, atuar na fabricação de hormônios e participar da composição da vitamina D (essencial para os ossos e para o crescimento).

Os lipídios são transportados na circulação sangüínea com auxílio das lipoproteínas, uma partícula que possui em seu interior gordura e colesterol. As lipoproteínas são divididas em diferentes classes, entre as quais estão o quilomícron, a VLDL, a LDL e a HDL. A mais conhecida é a LDL, uma lipoproteína de baixa densidade e considerada a "partícula ruim", e a HDL, de alta densidade e considerada a "partícula boa". É possível medir a quantidade de colesterol existente em cada uma dessas frações.

A ingestão de alimentos com muita gordura saturada (gordura sólida à temperatura ambiente) pode levar ao aumento do nível de LDL ("o colesterol ruim") no organismo. A gordura saturada não se transforma em colesterol. Na verdade, reduz a velocidade de eliminação do colesterol, facilitando assim sua deposição nos vasos sangüíneos. É a LDL que transporta a maior parte de colesterol pelo corpo. Cerca de 70% do colesterol que temos está "empacotado" na LDL. Já a HDL é uma partícula "ávida" por colesterol. Ela capta os lipídios deixados nos tecidos periféricos e os leva para o fígado, de onde serão eliminados. Por isso, é chamada de bom colesterol.

A Aterosclerose e o Infarto

A maior parte do colesterol presente em nosso organismo é produzida por ele próprio. Cerca de 25% do colesterol são provenientes da alimentação. Por defeito genético ou enzimático, o indivíduo pode produzir muito colesterol. "Ninguém vive sem colesterol. O importante é tê-lo na medida certa", define o coordenador do Setor de Lipídios, Aterosclerose e Biologia Vascular da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Francisco Fonseca.

Existe uma ampla reserva de colesterol no organismo e o excesso pode determinar o entupimento dos vasos. Um dos principais temores de pacientes com nível total de colesterol elevado é a aterosclerose. Trata-se do endurecimento dos vasos sangüíneos causado pela deposição de gordura em suas paredes. Uma predisposição genética combinada ao fumo, ao estresse, à vida sedentária, ao diabetes e à pressão arterial elevada podem contribuir para a ocorrência da enfermidade.

Os ateromas são formados quando uma determinada região da parede vascular começa a apresentar maior quantidade de células, que ficam cada vez mais repletas de partículas LDL ("colesterol ruim"). O excesso de gordura acumulada leva à morte das células e a uma reação inflamatória. Assim, aumentam-se os riscos da estrutura do vaso se romper. Com a ruptura, inicia-se um processo de coagulação, que leva ao entupimento do vaso, podendo ocasionar o infarto do miocárdio. Durante o Congresso Brasileiro de Cardiologia, no ano passado, em Belo Horizonte, foi apontada a ocorrência de 300 mil mortes por doenças cardiovasculares por ano no Brasil, o que equivale a 821 mortes por dia.

Importância das Campanhas

A importância de uma campanha para redução dos níveis de gordura saturada na alimentação é identificada através de uma projeção realizada com dados da população norte-americana. Se houvesse uma diminuição de apenas 2% no teor de gordura saturada nas dietas, poderiam ser evitados, por ano nos EUA, cerca de 100 mil infartos do miocárdio. A Finlândia registrava a maior taxa de mortalidade por doença coronária no mundo. Nos últimos 25 anos, o governo se esforçou para conscientizar a população com campanhas contra o fumo, pró-atividades físicas, a favor de alimentação saudável e de controle do colesterol. O resultado foi uma redução de 60% de mortes por doenças cardiovasculares.

Opções Terapêuticas

Dieta saudável, exercícios físicos e medicamentos são as formas terapêuticas mais utilizadas. O uso de medicamentos não é indicado para todos os pacientes.

É fundamental observar o teor de gordura na alimentação. Quanto mais gordura se come, maior tendência para o acúmulo de LDL ("colesterol ruim"). Um estudo evidenciou que 13% dos componentes da dieta diária dos norte-americanos são de gorduras saturadas, enquanto o ideal seria não ultrapassar 10%.

Alimentos que fazem subir o mau colesterol geralmente são os de origem animal, como as carnes vermelhas gordas (que apresentam gordura visível e invisível - nas tramas musculares), queijos gordurosos, miúdos, frutos do mar, ovos, embutidos (salame, salsicha, presunto e mortadela), banhas, torresmo, toucinho defumado, massas folhadas e doces recheados. Em uma dieta nutricional para redução de colesterol dá-se preferência para peixes e frangos sem pele. Seguir à risca uma dieta alimentar pode significar a redução de cerca de 15% do colesterol total.

Acredita-se que o ácido graxo ômega 3, um poliinsaturado, ajude a reduzir o mau colesterol. As fibras solúveis, como aveia, e frutas, como maçã , goiaba e parte branca da laranja, melhoram o processo de absorção de colesterol.

O exercício físico não faz baixar o colesterol LDL, mas ajuda a aumentar a produção da HDL. Estudos recentes do Instituto do Coração de São Paulo (Incor) mostram que pessoas que fazem atividade física regular aceleram a "lavagem" de colesterol ruim dentro dos vasos sangüíneos. A remoção da LDL é até quatro vezes maior entre os adeptos da atividade física em relação aos sedentários.

Levar uma vida saudável, com alimentação adequada, atividades físicas regulares, manutenção do peso e campanhas contra álcool e fumo, do ponto de vista de saúde pública, são os requisitos para afastar o nível alto de colesterol da sua vida.

Índices de Medida

Adulto sadio
Colesterol total ideal: até 200mg/dl
Limite aceitável: de 200mg/dl a 240mg/dl

Pessoas com fatores de risco
Colesterol total: até 130mg/dl

Pessoas com doenças coronarianas
Colesterol total: até 100mg/dl

O coração é um orgão ativado por estímulos elétricos, sendo composto por quatro câmaras: duas superiores e menores (os átrios), e  duas i...

Sistema elétrico do coração: como funciona

http://brugada.files.wordpress.com/2009/05/heart_beat.jpg

O coração é um orgão ativado por estímulos elétricos, sendo composto por quatro câmaras: duas superiores e menores (os átrios), e  duas inferiores e maiores (os ventrículos) .Estas câmaras funcionam como uma bomba propulsora de sangue.

Esta bomba bate cerca de 100 mil vezes por dia, devendo ser eficaz durante toda a nossa vida. As paredes musculares de cada câmara se contraem em uma sequência precisa, impulsionando um volume máximo de sangue com o menor gasto de energia possível .

A contração das fibras musculares do coração (miocárdio) é controlada por uma descarga elétrica que flui através de vias elétricas do sistema de condução, em uma velocidade controlada. A descarga elétrica que inicia a cada batimento cardíaco origina-se no marcapasso natural do coração, chamado de nó sinusal ou sinoatrial, situado na parede do átrio direito. A frequência da descarga elétrica é influenciada pelos impulsos nervosos e pelos níveis de hormônios que circulam na corrente sanguínea.

O sistema nervoso autônomo (SNA) regula a frequência cardíaca através de seus dois componentes: o sistema nervoso simpático (SNS) e o parassimpático (SNPS).O SNS aumenta a frequência cardíaca, enquanto o SNPS a diminui.O SNS supre o coração com uma rede de nervos chamada de plexo simpático.O SNPS supre o coração através de um único nervo, chamado de nervo vago. A frequência cardíaca aumenta sob a influência dos hormônios circulantes do SNS (adrenalina e noradrenalina).

O hormônio tireoidiano também influencia a frequência cardíaca.Quando há excesso deste hormônio  a freqüência cardíaca  torna-se muito elevada, no entanto, quando há deficiência do mesmo, o coração passa a bater muito lentamente. Geralmente, a frequência cardíaca normal em repouso é de 50 a 100 batimentos por minuto.

Entretanto, frequências cardíacas mais baixas (bradicardia sinusal) podem ser normais em adultos jovens, particularmente entre aqueles que apresentam um bom condicionamento físico.Variações da frequência cardíaca são normais durante as atividades do dia.Certos medicamentos e substâncias como a nicotina do cigarro e o álcool, também podem influenciar a  frequência cardíaca.

O sistema elétrico do coração

O nó sinusal ou sinoatrial inicia um impulso elétrico que flui sobre os átrios direito e esquerdo (câmaras cardíacas superiores), fazendo que estes se contraiam.O sangue imediatamente será deslocado para os ventrículos (câmaras cardíacas maiores e inferiores) .Quando o impulso elétrico chega ao nó atrioventricular (estação intermediária do sistema elétrico), este impulso sofre um ligeiro retardo.

Em seguida o impulso elétrico dissemina-se ao longo do feixe de His, o qual divide-se em ramo direito (direcionado para o ventrículo direito) e  ramo esquerdo (direcionado para o ventrículo esquerdo).Este último é dividido em dois fascículos: o ântero-superior esquerdo e o póstero-inferior direito.

Na sequência o impulso elétrico atinge os ventrículos fazendo com que estes se contraiam (sístole ventricular), permitindo a saída de sangue para fora do coração. O ventrículo esquerdo ejeta o sangue para o cérebro, músculos e outros orgãos do corpo humano.O ventrículo direito ejeta o sangue exclusivamente para a circulação do pulmão, para que este sangue seja enriquecido com oxigênio.

O ritmo cardíaco ditado pelo marcapasso natural do coração (nó sinusal) é chamado de ritmo sinusal.O ritmo cardíaco  ditado pelo nó atrioventricular (estação intermediária do sistema elétrico do coração) é chamado de ritmo  juncional Muitas vezes , esse último ritmo pode não ser indicativo de uma doença cardíaca propriamente dita.

Arritmias cardíacas

A frequência cardíaca  não responde só a ação do exercício e ao estado de repouso , mas também a estímulos como a ação de medicamentos e a situações fisiológicas como por exemplo, a dor, ansiedade ou excitação sexual (taquicardia sinusal).Apenas quando a frequência cardíaca é inadequadamente elevada (taquiarritmia) ou baixa (bradiarritmia) ou ainda, quando os impulsos elétricos são originados ou transmitidos por vias anormais, é que consideramos a presença de um ritmo anormal, chamado de arritmia cardíaca .


Dor torácica é a sensação de dor ou desconforto percebida de diversas formas, mas com localização na região a...

Dor torácica (dor no peito)



Dor torácica é a sensação de dor ou desconforto percebida de diversas formas, mas com localização na região anterior do tórax.A maneira de sentir  a dor e o modo de caracterizá-la varia de pessoa para pessoa. Varia também em função das condições psicológicas e do ambiente do indivíduo em um determinado momento. A origem racial também pode influenciar na percepção e no grau do desconforto torácico.

Frente a um sintoma de dor devemos definir os seguintes aspectos: localização, irradiação, característica, duração, fatores precipitantes, fatores que melhoram e/ou pioram a dor, e ainda, os sintomas associados.

Localização

A dor de origem cardíaca causada pela doença arterial  coronariana (angina do peito ou infarto do miocárdio) é localizada na região central do tórax (retroesternal) e difusa. Uma dor em um dos lados do tórax e bem localizada (num determinado ponto do tórax), fala contra que sua origem seja a doença arterial coronariana.

Irradiação

A dor de origem cardíaca poderá manifestar-se apenas em seus possíveis locais de irradiação.Quando  falamos em dor torácica de origem cardíaca, subentende-se toda uma área de possível de irradiação que vai desde a mandíbula até o umbigo, incluindo ambos os braços, a região posterior do tórax, o pescoço, a mandíbula e a boca do estômago. Dores localizadas fora desses limites não costumam ter origem cardíaca. Uma dor torácica anterior e irradiada para ambos os braços é altamente sugestiva de uma origem coronariana.

Característica

A dor torácica coronariana é difusa e percebida como um aperto, opressão, pressão ou queimação. A dor torácica, referida como pontadas ou agulhadas, raramente tem origem coronariana


.

Duração

A dor da angina do peito costuma durar de 5 a 20 minutos. Uma dor torácica com características de doença arterial coronariana, mas com duração superior a 20 ou 30 minutos, sugere infarto do miocárdio. A dor torácica que dura segundos ou horas ou ainda,  é  intermitente (aparece e desaparece várias vezes ao longo do dia), raramente tem como origem a doença arterial coronariana.

Fatores precipitantes

A dor torácica coronariana costuma ser precipitada pelo exercício físico, estresse emocional ou após uma refeição mais copiosa e de difícil digestão. 

Fatores de melhora e piora

A dor torácica coronariana não costuma ter fatores de piora, como a palpação do tórax, respiração profunda, mudança na posição do corpo ou movimentação dos braços. Costuma aliviar espontaneamente com o repouso ou após o uso de nitratos (vasodilatadores coronarianos, como o Isordil ou Sustrate).

Sintomas associados

A dor torácica coronariana poderá estar acompanhada de falta de ar (dispneia), sudorese, náuseas e vômitos (sintomas mais sugestivos de infarto do miocárdio), palpitações e palidez. A presença de tosse, febre, azia  e outros sintomas, podem sugerir outras causas para a dor torácica, como as doenças respiratórias ou do aparelho digestivo.

Classificação

A dor torácica pode ser classificada em 4 categorias a partir das suas características clínicas, independentemente dos exames complementares.

- Dor anginosa típica (tipo A):

Há características de angina do peito típica e evidente, levando ao diagnóstico de doença arterial coronariana   (angina do peito ou infarto do miocárdio), mesmo sem o resultado de qualquer exame complementar. 

- Dor provavelmente anginosa (tipo B):

Esse tipo de dor não possui todas as características de uma angina do peito típica, mas a doença coronariana é a principal suspeita diagnóstica.

- Dor provavelmente não anginosa (tipo C):

É uma dor atípica, mas não é possível excluir totalmente o diagnóstico de doença arterial coronariana sem a realização de exames complementares.

- Dor não anginosa (tipo D):

É um tipo de dor com características de origem não coronariana.Nestes casos outros diagnósticos se sobrepõem claramente à hipótese de doença arterial  coronariana.

Equivalente anginoso

Alguns pacientes, como os idosos, ao invés de sentirem um desconforto torácico como manifestação de angina do peito  percebem apenas uma dificuldade respiratória (dispneia). Esse sintoma equivale ao de angina do peito (equivalente anginoso).

"O Portal do Coração adverte: a dor torácica pode ser indicativa de uma doença potencialmente grave. Por isso, se você está sentindo este sintoma, procure sempre a orientação de um médico".

Faça Fisioterapia